quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

A gente é uma furada. Ou não.




Certa vez me perguntaram o motivo de eu gostar tanto de você. Terminei ficando meio triste - meio não... inteira – porque, bom, eu não sabia. E aí está à coisa de toda de não saber: é uma furada. Nós somos uma furada. Sempre fomos. E todo mundo sabe disto.

Quando eu falo de você para as minhas amigas - e elas me olham - ou entediadas ou torto, é basicamente nisto em que elas estão pensando: a gente é uma furada. Ou quando vejo os namoros dessas pessoas em série, cheio de trejeitos, e depois olho para nós que, nem um namoro tivemos: a gente é uma furada. Ou depois que releio os três mil textos que já devo ter escrito para você: a gente é uma furada.

Basicamente a gente nem pode ser chamado de a gente. Porque pra “a gente” existir, você tem que saber que eu desejo que “a gente” exista. Mas aposto que você não sabe. Tenho 99% de certeza. Aposto que você pensa que eu sou aquela garota impenetrável e bem resolvida. Sou nada. Sou a garota-problema, a garota-indecisa, a garota quero-e-não-quero. Então eu me pego pensando novamente feito uma meninazinha de seis anos: a gente é uma furada. Ou talvez a furada toda seja eu.

Mas sabe, eu não me importo. Mesmo que seja uma furada catastrófica. Se você estiver comigo, por mim, tudo bem. Se estiver de acordo, me liga agora. Se não estiver de acordo, me liga agora também.

A gente pode ser uma furada, aquela furada que vai à praia todos os sábados, e fica bem longe das ondas, naquela barraquinha de coqueiros, em que a maioria das pessoas levaram Budowski para ler. A gente pode ser uma furada, aquela furada de bloco de carnaval, em que até quem nos vê pela tevê sabe a alegria que a gente trás. A gente pode ser uma furada, na cama, largados, sozinhos, ou na escada. A gente pode ser uma furada, no piquenique de verão ou andando de bicicleta em dias nublados, em que mais ninguém, além de nós dois saiu de casa. A gente pode ser uma furada, fazendo piadinhas intelectuais dos nossos amigos e suas vidinhas banais. A gente pode ser uma furada, cantando Strokes ou acampando em uma Serra qualquer. A gente pode ser uma furada, comentando filmes por celular, ou enumerando motivos por gostarmos tanto de basicamente as mesmas coisas. A gente pode ser uma furada. Ou simplesmente pensar que somos uma furada.

Segundo o dicionário Aurélio furada também é: Furo.Orifício. Abertura. Brecha. Rombo. Acho que a gente pode ser uma furada. De tanto amar, meio que fizemos isso um com o coração do outro. Deixamos um furo, um orifício, uma abertura, uma brecha, um rombo, que de tão profundo e longínquo nunca mais deixou de extravasar amor.

Clara V.

2 comentários:

  1. amei teus textos,uma pena n ter sido eu que escrevi rs. me identificando demais.

    ResponderExcluir

 

. Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos